sábado, 20 de setembro de 2008

O "casamento" gay e "o divórcio à socialista"



Imagem daqui.

4 comentários:

Anónimo disse...

a homossexualidade n é uma invenção do PS. existe desde a antiguidade clássica, a par da hetero e da bissexualidade. espero que o teu filho n seja homossexual, só para n sofrer do ridículo das paidas e das tuas ideias pré-definidas sobre a homo e a bissexualidade. tb és daqueles que pensa que só existem homos e bis efeminados e que só pensam em sexo? existe de tudo (heteros efeminados, homos discretos e viris, homos casados a fingir que são hetero só para serem aceites socialmente... esta é triste, n?), como em todas as sexualidades. ninguém escolhe a sua sexualidade ou tu escolheste a tua? ninguém é melhor ou pior por ser hetero, homo ou bi (ou achas que existe uma sexualidade superior?). já as nossas acções e atitudes é q podem ser avaliadas.

e tu resolves o assunto numa piada foleira? sentes-te mais homem ao fazê-lo? espero q n tenhas um filho homo q leia o teu blog...

Orlando disse...

O problema dos gays é que se consideram “especiais” e cultos, em oposição aos ignorantes. LOL

A homossexualidade sempre existiu. O que não existiu ― como existe agora ― é o gayzismo. Na antiguidade clássica (Grécia, por exemplo) a homossexualidade era tolerada, mas não passava pela cabeça de um grego homossexual casar com um homem; essa coisa do casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma originalidade da cultura gayzista.

Quando a um filho meu:

A percentagem de homossexuais progénitos é tão insignificante que as probabilidades são ínfimas. O que me preocupa é a homossexualidade por aculturação que o movimento gay quer impor através da educação das nossas crianças. Para além da influencia genética (homossexuais progénitos), embora não possamos dizer que a homossexualidade adquirida por aculturação é um escolha da pessoa, acaba por ser induzida pelo meio-ambiente e pela educação em que a criança e o adolescente vive. Este é um facto cientificamente comprovado e basta fazer uma busca no google para sabermos das conclusões da ciência sobre a influencia da educação na confusão de género.

Anónimo disse...

És um bocado naïf acerca desta questão (essa questão da maioria/minoria não é assim tão óbvia, sobretudo quando se oculta ou se mente imenso sobre a sexualidade para uma protecção da crueldade da homofobia - existem imensos homens, casados, com filhos, que são homos, e podem ser bons ou maus pais, como os hetero. sabes disso, não?). Falar-se de aculturação é admitir que estamos perante um «contágio» social? Achas mesmo que a sexualidade se «pega»? Isto é, é uma escolha? Eu não escolhi ser bi. Seria-me mais confortável ser hetero, se fosse para escolher. Não ponhas de parte essa ideia de que o teu filho poderá ser homo/bi (conheço um homem homo com 4 filhos... a partir daqui nada me parece impossível). Isso n tem a ver com genética, nem com a formação.

Quanto ao casamento, estamos a falar do civil, não do religioso. Sabes o que está em causa? Discriminação de acesso a direitos essenciais, como na aquisição de uma casa ou a impossibilidade de acompanhar uma pessoa amada em caso de internamento, porque oficialmente não há nenhum vínculo/registo. Percebes a dimensão da questão? Porque terá que haver cidadãos de 1ª e de 2ª? Eu não gosto nem do gayzismo, nem do heterozismo. Todos os ismos são extremos. Sou pela moderação. Não acho que seja pedir muito ao estado o acesso a esses bens. Há homos a aceder a eles, mas porque casaram com uma mulher. Percebes a complexidade da coisa ou vais-me chamar «maricas» ou algo semelhante?

Desculpa qualquer coisa, mas pq é que n podemos coexistir sem atritos?

Lá vim eu com a «conversa mole»... teimo em desmistificar algumas ideias erradas que existem sobre determinados assuntos, que eu conheço mais de perto. Tu terás certamente algo para me ensinar sobre outros assuntos, em que eu sou um nabo.

Agora, generalizar é o mais fácil, qd n se põe no lugar do outro. Existem bons e maus em todas as sexualidades... Era interessante é que passássemos esta treta da identidade à frente (já imaginaste se tivesses que estar sempre a ser atacado só por seres hetero? isso seria desgastante). Temos uma vida para viver, com dramas semelhantes aos teus, certamente.

Abraço (de alguém que te é próximo). Isto não se pega, Orlando.

Anónimo disse...

só para que terminar: n me julgo nem superior nem inferior a ti... seria ridículo achar que a sexualidade determina a inteligência de um indivíduo... como consegues generalizar assim tão facilmente? conheces assim tantos gays? tenho q pagar pelos cromos? achas q pensamos todos da mesma maneira? e os que n te dizem o que são? os hetero pensam todos do mesmo modo? isto é mais complexo do que parece...